Renegando o Meu Sangue (1957)

RENEGANDO O MEU SANGUE (Run of the Arrow, 1957 – USA)
(Filme Completo / Legendado em Português)
Data de Lançamento: 16 de julho de 1957

SINOPSE: Depois de ser derrotado na guerra da secessão, por ódio aos yankes, um soldado vai para o Oeste e se integra aos índios Sioux. Ele acaba representando os índios em negociações com os homens brancos e, depois de desacertos, precisa decidir entre ficar a favor e contra sua pátria.

Assista o filme no player acima ou CLICANDO AQUI. Use a linha de comando no canto inferior direito para visualizar em tela cheia (fullscreen).

SOBRE O FILME: Com um travelling que passeia pelo campo de batalha, exibindo os mortos dos conflitos da Guerra Civil americana, Renegando Meu Sangue tem em sua abertura a ideal representação cenário da América ao fim da guerra. A imagem, que simboliza tanto o estado mental do protagonista da obra, que saiu derrotado, quanto do país, rachado pelas diferenças ideológicas e políticas entre norte e sul.

A obra acompanha o capitão Clark, norte-americano que lutou pelos Confederados e, ao fim da guerra, busca recomeçar sua vida. Acompanhando sua jornada, que chega a entrelaçar sua trajetória com os nativos Sioux, vemos uma narrativa sobre busca de identidade, funcionando tanto quanto uma análise dos efeitos de uma derrota na guerra quanto como um retrato da busca com unidade de uma América destruída no final do século XIX.

O diretor e roteirista Samuel Fuller escolhe, no primeiro ato, apenas construir o cenário de sua trama. Para isso, usa desde cenas do protagonista lutando por recursos básicos até suas conversas com outros derrotados da Guerra de Secessão. Uma constante são os planos que trazem o protagonista vivido por Rod Steiger perambulando pelo quadro, às vezes olhando para o nada, desesperançoso, possibilitando que sua atuação materialize a insegurança e angústia do personagem.

Ao conquistar o respeito dos Sioux, Clark torna-se um condutor da narrativa que possibilita que o espectador vislumbre, em um período tão conturbado da história americana, a realidade dos nativos, que mesmo diante do fim da Guerra de Secessão, ainda lutavam seus próprios conflitos, buscando manter seus lares diante da Doutrina do Destino Manifesto, ideal defendido pelos invasores que consistia em acreditar que a colonização de todo o país era uma missão divina.

Quando entre seu novo povo, Clark é retratado com um conforto antes desconhecido pelo filme. Tanto pelo encaixe no plano, com o personagem confortável e centralizado, quanto pelo figurino, que se assemelha ao de sua nova companheira, mostrando a conexão entre o casal. Além disso, a trilha adquire nuances mais melódicas com acordes abertos, o que ainda fortalece ainda mais a noção de que, entre os Sioux, Clark encontrou, depois de muito tempo sozinho, um lar.

No meio do segundo ato, Renegando Meu Sangue torna-se irregular por perder o foco. As relações de identidade da nação e do protagonista não são desenvolvidas suficientemente, e conflitos entre personagens não tão interessantes aliados a diálogos muito mastigados ocupam mais tempo do que deveriam. Como resultado, a obra levanta discussões interessantes, mas nunca as aprofunda suficientemente para deixar sua marca.

Tecnicamente, a obra ainda traz cenas de batalha interessantes protagonizadas pelos Sioux, que, pelo uso de planos gerais e câmeras tremidas acompanhando as cavalgadas rumo ao combate, criam a tensão necessária no clímax da obra. Ainda merece ser enaltecida a opção de Fuller de trazer inúmeras cenas de mortes, que conferem peso aos conflitos, que ganham ainda mais impacto ao notarmos que, durante a batalha final, quase sempre haverá um cadáver ferido ou algo em chamas em algum canto do plano, o que permite que o espectador sinta a brutalidade projetada.

Renegando Meu Sangue traz algumas das ideias mais interessantes dos westerns dos anos 50 — como o uso do protagonista como alegoria para o sentimento de fracasso de todo o sul americano após a Guerra de Secessão — , sendo capaz de impactar tanto visualmente quanto tematicamente, principalmente quando, por meio dos Sioux, permite que o espectador encontre um terceiro ponto de vista sobre um evento histórico que costuma ser polarizado entre confederados e união.

FICHA TÉCNICA:
DIREÇÃO: Samuel Fuller
ROTEIRO: Samuel Fuller
GÊNERO: Faroeste
ORIGEM: USA
DURAÇÃO: 1h 26min
»
»
ELENCO PRINCIPAL:
Rod Steiger … O’Meara
Sara Montiel … Yellow Moccasin
Brian Keith … Capt. Clark
Ralph Meeker … Lt. Driscoll
Jay C. Flippen … Walking Coyote
Charles Bronson … Blue Buffalo
Olive Carey … Mrs. O’Meara
H.M. Wynant … Crazy Wolf
Neyle Morrow … Lt. Stockwell
Frank DeKova … Red Cloud
Tim McCoy … Gen. Allen
Stuart Randall … Col. Taylor
Frank Warner … Banjo Playing Singer
Billy Miller … Silent Tongue
Chuck Hayward … Corporal
Chuck Roberson … Sergeant


Fontes de Pesquisa/Textos: SWDB, iMDB, Filmow, Revista Moviement.

Um comentário

Deixe uma resposta para PUBLIQUE-SE A LENDA: A HISTÓRIA DO WESTERN – CULT COLLECTORS Cancelar resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s