ENSAIO DE ORQUESTRA

Um maestro tenta reger uma orquestra repleta de músicos desinteressados, prepotentes e que só vão fazer aquilo que seu sindicato autorizar. Quando o maestro perde a paciência e exige um pouco mais deles, começa uma revolução. Com essa ideia, “Ensaio de Orquestra” (1978) discorre sobre o papel da música no mundo contemporâneo e, seguindo a marca do diretor Federico Fellini, traça um paralelo com sua visão sobre o próprio processo artístico.

A história começa quando uma equipe de reportagem (ou pelo menos é o que se assume) invade o espaço da orquestra a fim de acompanhar o ensaio. Para um filme de 1978 é estranho ver os personagens falando diretamente para a câmera, como se estivessem sendo entrevistados. Essa técnica, conhecida como mocumental (de falso documentário), se tornou muito popular no cinema de terror após o sucesso do independente “A Bruxa de Blair” (1999), e, apesar de Fellini não estar inventando esta maneira de filmar, há de se reconhecer, no mínimo, seu pioneirismo. E é com ela, para surpresa de muitos, que o italiano decide fazer rir. Sim, “Ensaio de Orquestra” é uma comédia.

Seja na evidente falta de compromisso dos músicos ou na demasiada atenção que estes dão a seus instrumentos, a graça de Prova D’orchestra reside nos tipos cotidianos e a câmera “amadora” de Fellini só potencializa este humor.

Assista o filme clicando no player acima. Use a linha de comando no canto inferior direito para visualizar em tela cheia (fullscreen).

O personagem do maestro, por si só, é um show a parte. Hilário quando vocifera contra sua própria orquestra e dramático quando explica a decadência da música como arte, o ator polonês Balduin Baas lidera o filme com a mesma desenvoltura que seu personagem diz ter com a batuta.

E o maestro é só um dos artifícios de Fellini para fazer o que faz melhor: falar sobre si mesmo. Usando a orquestra como metáfora para o cinema, o diretor critica a interferência dos sindicatos no processo cinematográfico e tenta passar, se colocando no papel do maestro, a dificuldade de criar arte a partir de um grupo tão heterogêneo quanto a orquestra do filme.

Genuinamente engraçado, com uma grande trilha sonora de Nino Rotta e mais sutil do que trabalhos mais conhecidos do gênio neo-realista, “Ensaio de Orquestra” é um dos trabalhos mais interessantes de Fellini e, não fosse pelo rudimentar sistema de captação de som do cinema italiano – que obriga uma dublagem vagabunda ao filme – seria um prazer ouvir e reouvir este ensaio.


Texto elaborado por Stefano P., jornalista de formação, roteirista e cineasta amador.

CULT COLLECTORS | Ser Cult É Ser Colecionador!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s