OS POLICIAIS | Os Grandes Seriados do Cinema

Desta vez, o destaque é para Dick Tracy, o Besouro Verde, o Sombra e o Aranha, na continuação da série de artigos.

Até hoje não surgiu um herói mais popular do que Dick Tracy, nas histórias em quadrinhos do gênero policial. O personagem, criado por Chester Gould em 1931, com seu rosto quadrado, chapéu de feltro e rádio transmissor-receptor no pulso, costumava viver aventuras realistas e bastante violentas, nas quais enfrentava vilões, de faces deformadas ou hábitos incumuns, jamais esquecidos pelos leitores. No primeiro seriado sobre o detetive que a Republic fez em 1937, Dick Tracy (Dick Tracy, o Detetive), os bandidos eram tão estranhos como nos quadrinhos.

Nele, The Lame One (O Coxo) e seu assecla, Dr. Moloch, à frente do Spider Gang (Bando da Aranha), sequestravam o irmão de Tracy, Gordon, e o transformavam num autômato a seu serviço. Mas o mocinho acabava desmascarando o líder dos malfeitores, eliminando-os todos. Dirigido por Ray Taylor e Alan James, Dick Tracy foi considerado um dos melhores seriados dos anos 30, por sua produção cuidada, trama bem armada e efeitos especiais que incluíam uma aeronave fantástica providenciada pelos técnicos Howard e Theodore Lydecker, os magos das miniaturas do estúdio.

Ralph Byrd, ficou imortalizado no papel de Dick Track.

No papel principal, Ralph Byrd ficou associado ao personagem até sua morte, em 1952, aos 43 anos de idade, e se tornou um dos poucos atores reconhecidos como astros do filme seriado sonoro, ao lado de Buster Crabbe e Kirk Alyn. Byrd estreara nas telas em 1935, na fita Chinatown Squad (O Anel Chinês) e, além de protagonizar todos os serials de Dick Tracy, estrelou Blake of the Scotland Yard/1937 (A Sombra do Escorpião) e S.O.S. Coast Guard/1937 (Guarda-Costa Alerta), bem como outras películas classe B, e obteve pequenos papéis em produções de maior prestígio, entre elas The Howard of Virginia/1940 (Flama da Liberdade), Northwest Mounted Police/1940 (Legião de Heróis), Guadalcanal Diary/1943 (Guadalcanal), The Redhead and the Cowboy/1950 (A Mensagem dos Renegados). Existem porém preferências pelos outros três seriados de Dick Tracy, todos dirigidos por William Witney e John English, sob o fundamento de que tinham mais ação.

Em Dick Tracy Returns/1939 (A Volta de Dick Tracy) o herói, agora G-Man, lutava contra Pa Stark (personificado por Charles Middleton, o Imperador Ming de Flash Gordon), chefe de uma quadrilha composta por seus cinco filhos perversos que eram liquidados, um a um, até o último episódio. Neste seriado, foram usados dois “capítulos econômicos”, prática comum para se poupar dinheiro: os personagens recordavam-se de acontecimentos passados, projetando-se em flashback cenas já filmadas, integrantes de episódios anteriores.

Já em Dick Tracy’s G-Men (Novas Aventuras de Dick Tracy) o oponente de Tracy era o espião internacional Zarnoff (vivido pelo futuro diretor Irving Pichel) cujos atos de sabotagem correspondiam a tomdas de arquivo de fatos reais como por exemplo o desastre de Hindenburg. A derradeira cena deste seriado tinha um clímax original: em pleno deserto, Zarnoff amarrava Tracy numa árvore perto de uma fonte, bebia sadicamente um gole de água e o abandonava para morrer de sede. A água, porém, estava envenenada, e Zarnoff sucumbia no meio do deserto, enquanto Tracy era salvo por seus companheiros. No elenco, uma curiosidade: Jennifer Jones, no início da carreira, sob o nome artístico de Phyllis Isley (foto abaixo).

Do lado do mal em Dick Tracy vs Crime Inc./1941 (Dick Tracy Contra o Crime) estava The Ghost (O Fantasma) que conseguia ficar invisível graças a uma máquina inventada por seu capanga, Lúcifer. No desenlace, Tracy descobria a verdadeira identidade do facínora (numa sequência sensacional, toda fotografada em negativo), e este, ao tentar fugir, morria eletrocutado por fios de alta tensão.

Alguns anos depois, a RKO-Radio realizou uma série de quatro filmes: Dick Tracy/1945 (Dick Tracy, o Audacioso), de William Berke, e Dick Tracy vs. Cueball/1946 (O Punhal Sangrento), de Gordon Douglas, ambos com Morgan Conway, substituído por Ralph Byrd nos dois seguintes: Dick Tracy’s Dilemma/1947, de John Rawlings e Dick Tracy Meets Gruesome/1947 (Dick Tracy Contra o Monstro), também de Rawlings, com Boris Karloff na pele do vilão (foto abaixo). Convocado para a série de televisão de 39 episódios, em 1951, Byrd nela atuou até seu falecimento.

Posteriormente, fizeram um piloto, logo engavetado por falta de compradores. No rádio, na década de 30, Dick Tracy ressurgira sucessivamente nas vozes de Ned Weaver, Matt Crowley e Harry Thompson e, em 1964, a UPA fez um desenho animado, tendo como consultor o próprio desenhista Chester Gould e usando a voz de Everett Sloane. Recentemente, Warren Beatty reviveu o personagem na tela (foto abaixo).

OS POLICIAIS MASCARADOS

O contrário de Dick Tracy, o vingador mascarado conhecido como Green Hornet (O Besouro Verde), surgiu primeiramente no rádio. Na série radiofônica, criada por George W. Trendle e F. Striker, a voz era de Al Hodges (o futuro Capitão Vídeo da tevê) mas no seriado inicial com este herói, The Green Hornet/1939 (O Besouro Verde), dirigido por Ford Beebe e Ray Taylor, o papel do editor Britt Reid coube a Gordon Jones, enquanto seu fiel ajudante Kato recebia os traços de Keye Luke (mais tarde filho de Charlie Chan na série da 20th Century-Fox, fase Warner Oland). Hoje, pela curiosidade, seria uma atração apenas ver Alan Ladd num papel secundário, o jovem piloto Gilpin, pois o espetáculo não possuía grandes méritos.

Sua continuação The Green Hornet Strikes Again/1940 (A Volta do Besouro Verde), de Ford Beebe e John Rawlings, com Warren Hull, também foi incapaz de cativar o público. A série de televisão de 1966, com Van Williams, salvou-se apenas pela presença do atlético Bruce Lee que, interpretando Kato, agilizava o ritmo dos episódios, encenando lutas de Kung-Fu com sua habitual precisão.

Outro herói que fracassou diante das platéias foi The Shadow (O Sombra), personagem criado por Maxwell Grant (pseudônimo de Walter Brown Gibson), conhecido no mundo inteiro pela frase de abertura de suas aventuras radiofônicas: “Quem sabe o mal que se esconde nos corações humanos? O Sombra sabe”. Vários atores lhe emprestaram a voz no microfone, mas o mais famoso fopi Orson Welles, quando Agnes Moorehead, atriz wellesiana, falava por sua noiva, Margo Lane, a única que sabia do segredo do mocinho.

O Sombra, interpretado por Victor Jory.

No Cinema, em 1937, a Grand National fez um longa-metragem, The Shadow Strikes (Mr. Sombra), dirigido por Lynn Shares, com Rod La Rocke e, no ano seguinte, o ator voltou a viver o personagem em International Crime, sob a direção de Charles Lamont. Somente em 1940, surgiu o seriado The Shadow (A Sombra do Terror), dirigido por James W. Horne, com Victor Jory como o detetive amador que se transformava no justiceiro de capa e chapéu negros para enfrentar o bandido conhecido como Black Tiger (O Tigre Negro).

Fora do âmbito dos serials, a Monogram colocaria Kane Richmond numa série sobre o Sombra composta por três fitas: The Shadow Returns/1946 (O Sombra Retorna), de Phil Rosen; Behind the Mask/1946 (A Máscara do Sombra), de Phil Karlson e The Missing Lady/1946 (A Deusa de Jade), também de Karlson. Finalmente, em 1958, Richard Derr tomou o lugar de Richmond em Bourbon Street Shadows (Republic).

Já The Spider (O Aranha), um herói que se escondia sob uma capa toda desenhada de teia de aranha e que usava duas pistolas para aterrorizar o submundo, teve melhor acolhida. Nos seriados The Spider’s Web/1938 (A Aranha Negra), de Ray Taylor e James W. Horne, e The Spider Returns/1941 (A Volta da Aranha Negra), só de Horne, Warren Hull, assumindo os seus traços, media forças respectivamente com os temíveis Octopus (O Polvo) e Gargoyle (O Carranca), escapando de todos os perigos como mandava o figurino.

Kenne Duncan, Richard Fiske, Warren Hull e Iris Meredith em The Spider’s Web (1938)

Houve inúmeros outros seriados policiais ou de detetives como The Ace of Scotland Yeard/1928 (O Ás da Polícia Londrina), The Clutching Hand/1936 (A Mão que Aperta), Radio Patrol/1937 (Rádio Patrulha), Blake of the Scotland Yard/1937 (A Sombra do Escorpião), Red Barry/1938 (Red Barry), Mysterious Dr. Satan/1940 (O Misterioso Dr. Satan), Drums of Fu Manchu/1940 (Os Tambores de Fu Manchu), The Green Archer/1940 (O Arqueiro Verde), Gang Busters/1942 (Guerra aos Gangsters), Federal Operator 99/1945 (Agente Federal 99), Who’s Guilty?/1945 (O Vingador Desconhecido), The Crimson Ghost/1946 (O Espírito Escarlate), Chick Carter, Detective/1946 (Chick Carter, o Detetive), The Black Widow/1947 (A Aranha Mortal), G-Men Never Forget/1949 (Os Vingadores do Crime), Federal Agents vs Underworld Inc./1949 (O Segredo dos Túmulos), The Invisiblr Monster/1950 (O Monstro Invisível) mas, na realidade, em todas as fitas-em-série havia mistério, e os espectadores é que eram os maiores investigadores, acompanhando-as atentamente semanas a fio, para desvendarem, no final, qual a verdadeira identidade do bandido.

DICK TRACY, O DETETIVE (Dick Tracy)
(Seriado Completo / Legendado em Português)
Data de Lançamento: 20 de fevereiro de 1937

SINOPSE: O inimigo de Dick Tracy nesse seriado é o criminoso e vilão mascarado The Spider/The Lame One (O Coxo ) (são usados os dois nomes) e seu Spider Ring. Ao longo de vários crimes, inclusive com o uso das asas voadoras e armas ultrassônicas, tais como o raio da morte transportado por um avião futurístico, para destruir a Ponte São Francisco–Oakland Bay, em San Francisco, Spider captura o irmão de Dick Tracy, Gordon. O ajudante de Spider, Dr. Moloch, realiza uma cirurgia no cérebro de Gordon Tracy, para torná-lo mau, fazendo-o secretamente parte do Spider Ring e colocando irmão contra irmão.

Assista o seriado no player acima ou CLICANDO AQUI. Use a linha de comando no canto inferior direito para visualizar em tela cheia (fullscreen).

SOBRE A SÉRIE: As séries de Dick Tracy foram “insuperáveis no campo de ação”, acrescentando que “em qualquer listagem de seriados realizados depois de 1930, os quatro seriados de aventura de Dick Tracy, da Republic, devem se destacar como clássicos do suspense de detetive, servindo como modelo de muitos outros a seguir”. Ele continua, relatando que Ralph Byrd “desempenhou o papel de Dick Tracy ao máximo, dando sua interpretação de forma tão desenfreada, e seu entusiasmo exuberante e a excitação resultante foi contagiante”. Byrd se identificou com o personagem após o lançamento desta série. O reencontro no capítulo final entre Dick Tracy e Gordon, quando Gordon está morrendo e retorna a sua memória, é “um dos poucos momentos de drama emocional real já realizados em seriados”. Isso somado à qualidade humana de Dick Tracy, que estava presente em ambos os seriados e na história original de Chester Gould.

DIREÇÃO: Alan James, Ray Taylor
ROTEIRO: Ronald Davidson, Norman S. Hall, William Lively (original screenplay)
GÊNERO: Ação, Aventura

DIREÇÃO: Alan James, Ray Taylor
ROTEIRO: Morgan B. Cox, George Morgan, Barry Shipman, Winston Miller, Chester Gould (personagem)
GÊNERO: Action, Comedia, Crime
ORIGEM: Estados Unidos
DURAÇÃO: 290min
»
»
Elenco principal:
Ralph Byrd … Dick Tracy
Kay Hughes … Gwen Andrews
Smiley Burnette … Mike McGurk
Lee Van Atta … Junior
John Picorri … Dr Moloch
Carleton Young … Gordon Tracy (após a cirurgia)
Fred Hamilton … Steve Lockwood
Francis X. Bushman … Clive Anderson
Monte Montague … Clancy Fosse (não-creditado)
Al Ferguson … John Henderson (não-creditado)
Bob Reeves … Oficial (não creditado)

»
»


Fonte de Pesquisa: Revista Cinemin/A. C. Gomes de Mattos.

CULT COLLECTORS | Ser Cult É Ser Colecionador!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s